"Se quisermos modificar algum coisa, é pelas crianças que devemos começar." (Ayrton Senna)

domingo, 19 de setembro de 2010

AULA DE VERDADE E AULA DE MENTIRA

                                   
                   


Eu me lembro quando era estagiária. Entrava na sala de aula de uma professora que me recebia bem, de braços abertos. E sentava lá no fundo. Minha função era observar. E, observando, via um monte de erros da pobre da professora. Criticava, e achava todos eles um absurdo. E pensava comigo ,mesma como eu faria melhor, muito melhor. Balela. Hoje me vejo fazendo muitas daquelas coisas. Algumas sem querer, outras querendo mesmo, porque a prática me ensinou que é melhor assim. Porque tem uma diferença bem grande entre o pensar e o fazer. Uma diferença bem grande entre a teoria e a prática. Uma diferença bem grande entre a aula de mentira e a aula de verdade. Não porque as pessoas gostem de mentir. Mas porque gostam de imaginar. E quem imagina, imagina perfeitamente.

Eu vejo muita aula de mentira por aí. Vejo em fitas de cursos, vejo em relatos de professoras, vejo em livros, vejo em pessoas planejando, vejo em utopias, em realidades diferentes. A minha aula no plano é de mentira, até acontecer. Eu imagino ela passo a passo, descrevo, penso sobre ela. E quando ela acontece, ela vira aula de verdade.

 
E aula de verdade é assim: tem criança brigando e fazendo barulho o tempo todo. Tem criança dispersando, fugindo do assunto. Tem bilhetes ofensivos de pais na agenda. Tem criança doente, com febre, criança que vomita na sua roupa, as vezes faz cocô na calça, e precisa de você no banheiro pra ajudá-la. Tem criança carente, que te chama de mãe. Aula de verdade tem material que falta, que quebra; tem barulho externo, tem calor dentro da sala, tem irritação. Tem má vontade das crianças, tem dias de mau humor seu. Tem barca furada, tem informação errada, tem livro ruim, tem improvisação que dá errado. Aula de verdade tem plano que dá errado também, totalmente errado. E tem gente batendo na porta em hora imprópria, tem aparelho de som que não funciona, tem cadeado de vídeo que não abre, tem chave que some. Tem tinta que cai no chão, tem sujeira de papel recortado, tem mesa riscada de giz, tem lanche derramado, tem lápis sem nome caído no chão. Aula de verdade tem incompreensão com os outros adultos da escola, tem divergência com a parceira, tem divergência com pontos de vista da coordenadora, da diretora, das outras pessoas. Em aula de verdade, às vezes sobra tempo, às vezes falta tempo. Em aula de verdade, tem criança que chora, criança que fala demais, que é agressiva, que é tímida, que pega coisas dos outros e esconde, que é revoltada. Tem criança que não aprende, por mais que você tente. E tudo isso é de verdade. Muita verdade. Quem já deu aula, sabe que é assim. 

3 comentários:

Manuel Fernandes disse...

"E tudo isso é de verdade. Muita verdade. Quem já deu aula, sabe que é assim".

E quando não é verdade, Djanira, nós damos um "jeitinho" para que pareça a mais pura das realidades!

Abraços, "miga" boa semana!

Uma PROFESSORA apaixonada.... disse...

Você disse tudo!!!!
Quantas aulas mentirosas eu dou! E quer saber???? Prefiro assim!
Não vou atrás de teorias, porque realmente são utópicas, prefiro a verdade sempre , nua e crua!
beijos,
Lu

Psicopedagoga Andréa disse...

Aula de verdade é assim... Mas funciona, apesar dos contratempos. Fica a sensibilidade, ficam as aprendizagens! Em meio a tudo isso, discordo do comentário anterior, a teoria está presente, latente pois é em cima da prática que ela frutifica e alcança melhores resultados. Parabéns pela postagem e pela coragem de mostrar o que é dar aula, mas espero que não desacredite na sua ação, se ela é pensada, planejada e feita com amor com certeza vc colhe os frutos deste trabalho!